Segunda-feira, 05.09.11

"As paredes dizem, as paredes falam"

Se as paredes ouvissem iriam dizer

Não é por ti que choro, é por ti que falo,

Se elas falassem iam perceber

Que não é por ti que me calo,

É por ti que o faço

 

Se tudo e nada me ouvissem num só

Ficavam com a impressão de não existir,

Porque és tudo aquilo que digo,

O que me faz sentir,

O ter e não ter mais nenhum abrigo, a não ser

O abrigo que ainda me faz sonhar, não viver

 

Mas ninguém me quer ouvir, porque também não sei falar

Não há palavra escrita que não seja para ti,

Não há frase que saia da minha boca sem estares por perto

Sei falar, mas só de ti, contigo; sem ti sou mudo,

Fraco a ouvir, sem motivos para ver e olhar, sem motivos...

 

Se as paredes ouvissem era isto que iam falar.

publicado por Ricardo Santos às 14:58 | link do post | comentar
Quarta-feira, 31.08.11

"Penso-te"

  Estou para aqui a pensar em ti, sei fazer tantas coisas, mas esta é a que eu faço melhor. Naquilo que penso, fico tão limitado depois na realidade, mas penso e isso não o deixo de fazer. Penso-te de qualquer maneira em mim. Presente, não presente, longe e perto. Penso-te simplesmente. Nem sei sequer se existe esta forma do verbo pensar, mas é isso que faço. Em cada acção que tomo, é isso que faço. Estou para aqui a pensar em ti, sei fazer tantas coisas... Penso-te.

publicado por Ricardo Santos às 13:01 | link do post | comentar
Terça-feira, 30.08.11

"Talvez"

Na ligeira diferença que tens,

O suave encanto do nosso olhar,

Foi nela que eu encontrei

Aquilo que queria em outro lugar

 

Talvez por seres assim,

A um fechar de olhos

Deixares o que de bom acontece,

Deixares-me a pensar em ti

 

Ainda não percebi a razão

Sei que existe, sei que és tu,

Mas o porquê ainda me escapa,

Foste tu, tu a ficar no meu coração

 

Não olho para essa diferença

Apenas vejo-te num todo, como és,

E na semelhança que trazes

Levas de mim todo o encanto

 

Talvez haja alguma razão especial

Seja minha, seja tua, nossa ou da emoção,

É algo que me faz ver: tu és a tal;

Para isso não há nada a perceber

 

Talvez por seres tu

Dentro da igualdade que trazes,

Talvez por ser eu

Dentro da diferença que quero sentir

publicado por Ricardo Santos às 18:46 | link do post | comentar
Segunda-feira, 29.08.11

"Ainda não fui"

De longe vem o meu nome

Pedir para que me vá,

Grita alto na mesma pressa

De quem chama sem querer;

Oiço lá ao fundo esta voz

Que me diz nada dizer

 

Vezes sem conta lhe peço

Que acabe por ser assim,

 Tem voz, não me quer ouvir,

Chama sem antes falar,

Já soa tão baixo o que falo

Que o digo sem importar

 

Bem que essa voz me chama,

Mas eu ainda não saí daqui;

Já vou!

publicado por Ricardo Santos às 20:35 | link do post | comentar
Sábado, 27.08.11

"E há momentos"

O que cada um é, a si lhe diz respeito,

O que sou, só a ti se deve;

Em ti penso, em mim vives quando estou no meu leito

E após a vida, a tua recordação leve

Faz a eternidade que não hei-de ter,

A chama que perdurará no meu viver

 

O “serei” já não ocupa o existe,

Mas “sou” enquanto fores;

 

Aquilo que tu és sinto-o,

Se não o disser minto:

Farol que me guia em porto e alto mar,

Luz que iludia na força e na ferida do meu sarar

 

Sempre que te vejo é pouco,

 Vivo, mas não quero, devaneio como louco;

A réstia de esperança que sempre fica no meu olhar,

O teu sorriso que me parte de tanto admirar,

O teu amor que suspende o amar

A beleza que te invade e que me leva a parar

 

E há momentos…

 

… de tristeza que sinto sem fim;

… de imaginar esta minha vida sem ti,

… de alegrias que não cobrem os lamentos,

…de medo que me apoderam os pensamentos

 

A minha vida não é uma alegria,

Tu és a única nela,

Eu sem ti o que faria?

Nada e este era o meu tudo,

Tudo e eu nada seria

publicado por Ricardo Santos às 12:33 | link do post | comentar | ver comentários (1)

"Um abraço"

  Ficava abraçado a ti até muitos anos se passarem, depois olhava para ti até mais anos virem... voltava a fazer tudo... no abraço, o teu cheiro, perto dos limites infinitos do teu cabelo, colado ao teu pescoço, envolver-te com os meus braços; sentir sempre e estar sempre a sentir o aperto das nossas almas, o teu carinho; no olhar, o reflexo do que és, a tua beleza, aquilo que me deixa com um sorriso na cara, que não tem explicação e entra bem dentro de mim.

  E depois de tudo isto, aproximava-me de ti, mais perto, mais perto e acredita que...

publicado por Ricardo Santos às 12:18 | link do post | comentar
Quarta-feira, 24.08.11

"Olhos de criança"

  Quero ser uma criança nas tuas mãos. Quero ter de ti todo o carinho, olhar para ti sem ninguém me acusar; tocar-te com toda a inocência da infância, fazer tudo e deixar de fazer, porque sou uma criança, não que seja, mas quero ser uma nas tuas mãos.

  Quero sentir que sou especial para ti, quero ter a eterna alegria de criança, quero ser feliz contigo, quero ter-te ao pé de mim ou apenas estar ao pé de ti. Quero que possas unir as mãos, e depois fechá-las, e quero que me vejas, e que me guardes, e que me protejas, porque sou uma criança. Não quero sofrer, não tenho idade para isso... Olha por mim, esconde-me dentro das tuas mãos.

publicado por Ricardo Santos às 12:47 | link do post | comentar
 

palavras recentes

subscrever feeds

feedback

  • Quando a nossa vida perde o sentido, porque perdem...
  • Bom dia e que esta seja uma boa semana e se contri...
  • Quem bem que sabe - a mim, a nós no SAPO Angola e,...
  • O Ricardo não imagina o gosto de tive agora. Escre...
  • Atrever-me-ia a dizer que também no próprio blog o...

Posts mais comentados

tags

palavras antigas

blogs SAPO